Seguro de carro: quando devo acionar?

Entenda quando pode ser vantagem ou desvantagem acionar o seguro para resolver determinado sinistro.

Publicado em 10/07/2024 por Rodrigo Duarte.

Anúncios

Manter um seguro de automóvel sempre pode ser considerado como uma decisão inteligente, especialmente para as pessoas que conseguem separar o dinheiro que deverá ser pago todos os meses do orçamento doméstico, sem grandes prejuízos para as demais áreas. Especialmente no Brasil, onde os preços não apenas dos automóveis como também dos serviços e das peças são bem elevados quando comparados com o ganho médio.

Seguro de carro: quando devo acionar?

Mas entender como funcionam as apólices de seguro e as regras do setor de uma forma geral é fundamental, especialmente para os que estão adquirindo o seu primeiro veículo ou a sua primeira apólice de seguros. Por mais que que o cliente tenha uma cobertura completa, que traz uma maior segurança, nem sempre será mais vantajoso acionar a empresa diante de um sinistro.

Para entender melhor quando pode ser vantagem ou quando pode ser considerado uma desvantagem acionar o seguro diante de um incidente ocorrido, confira algumas dicas e respostas para perguntas que são bastante comuns nestes casos.

Como funciona a franquia?

Antes de mais nada, a grande responsável por essa dúvida que surge entre os clientes do seguro é uma regra dentro do mercado de seguros como um todo, que é a da franquia. Este é um valor, definido na apólice, que deve ser pago pelo segurado a partir do momento que ele aciona o seguro, como um complemento ao prêmio, pago mensalmente.

Por isso, antes de mais nada, é muito importante que os clientes saibam, de uma forma bem específica, qual o valor da franquia para a apólice de uma forma geral, especialmente quando existem diferentes parâmetros de acordo com o tipo de sinistro. Caso essa informação não esteja claro, o segurando sempre pode tirar esta dúvida diretamente com a empresa ou então pelo intermédio do corretor que fez a intermediação do negócio.

Como avaliar os danos?

Em casos de sinistros que envolvem acidentes e danos, tanto para o veículo que é objeto da apólice como também para os demais envolvidos, é preciso avaliar os danos para saber se realmente vale a pena acionar o seguro, mediante pagamento de uma franquia. Arranhões e amassados normalmente acabam se tornando mais baratos quando o dono paga do seu bolso.

Já no caso dos danos que são mais significativos, como colisões ou acidentes graves, provavelmente a franquia vai acabar saindo muito mais barata.

Vale a pena acionar o seguro em casos de roubo?

Uma das situações que normalmente está prevista nas coberturas dos seguros de automóveis é o furto ou o roubo. Esses são casos nos quais o acionamento acaba se tornando mais evidente, uma vez que, na grande maioria dos casos, os proprietários acabam trabalhando com a possibilidade de uma perda total do seu bem.

Lembrando que algumas decisões podem acabar tornando tanto o prêmio quanto a franquia destes sinistros mais barata, como a instalação de determinados sistemas de proteção e monitoramento no carro, que podem até mesmo ajudar a seguradora na recuperação do bem.

Quando acionar o seguro em casos de responsabilidade civil?

Uma outra cobertura que geralmente faz parte da apólice de seguros feitas para os carros é a de responsabilidade civil. Ela basicamente se refere aos danos pessoais e materiais que o segurado pode acabar causando aos outros. Neste caso, vale a mesma regra dos acidentes: será preciso ter uma ideia de quanto represente o dano para comparar com o valor da franquia.

Mas, em situações específicas, o acionamento desta cobertura pode ser uma vantagem até mesmo quando, em um primeiro momento, o dano parece não ter sido muito grande. É o caso de quando as pessoas precisam de assessoria jurídica, que pode acabar saindo bem caro.

A frequência do acionamento também deve ser levada em conta?

Pode ser também que os segurados queiram evitar de acionar o seguro pensando no futuro do seu relacionamento com a seguradora. É comum que, diante de diversos sinistros, a renovação da apólice acabe saindo muito mais cara. Por isso, pode ser interessante bancar aqueles sinistros mais baratos.

Mas mesmo nestes momentos é importante fazer conta e sempre pensar no que está sendo mais vantajoso. Muitas vezes o segurado evita de acionar a seguradora sempre que acontece um sinistro, pensando na franquia e na renovação, mas acaba gastando muito mais do que gastaria a partir da ajuda do seguro.

Também é importante ficar de olho nos descontos e nas vantagens oferecidas pelas seguradoras a partir do não acionamento. Caso o motorista tenha um perfil mais cauteloso, pode ser interessante optar por uma seguradora que ofereça descontos maiores para os que ficam um determinado tempo sem sinistros.

ESCRITO POR: Rodrigo Duarte - Jornalista formado pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), com especialização em Marketing Digital.
Faça login
ou
Criar conta
ou
Recuperar acesso

Informe o seu e-mail para que possamos enviar novas instruções de acesso.